segunda-feira, abril 25, 2005

Coimbra descobre obras de Vasco Martins



A estreia de duas sinfonias do compositor Vasco Martins, pela Orquestra Clássica do Centro, é um dos destaques da Semana Cultural "Coimbra à descoberta do Mindelo", que começa hoje naquela cidade portuguesa. Na quarta-feira, dia 27, a orquestra daquela cidade portuguesa irá apresentar, no Teatro Académico de Gil Vicente, um concerto exclusivamente dedicado à obra de Vasco Martins, com a estreia absoluta das sinfonias "4 notas na cidade", para clarinete e orquestra de cordas, e "Lux matutina", para orquestra clássica, bem como uma peça orquestral, "MornAmar", preparada propositadamente por Vasco Martins para celebrar esta "irmandande entre Coimbra e Mindelo".

"MornAmar" inspira-se numa morna muito antiga de autor desconhecido, que o escritor Baltasar Lopes costumava cantarolar, e numa composição de Virgílio Caseiro, maestro da OCC, com partes originais de Vasco Martins. O concerto da Orquestra Clássica do Centro, dia 27, inclui ainda a execução de outra sinfonia do mesmo compositor, "Pandion halieatus", inspirada nos cantos de uma águia que têm o seu habitat em Cabo Verde, e estreada em Coimbra em Janeiro.

A Semana Cultural "Coimbra à descoberta do Mindelo" estende-se até sábado, dia 30, e compreende espectáculos musicais, de dança e teatro, palestras, lançamentos de livros, uma exposição de pintura, uma mostra gastronómica e uma mesa-redonda sobre cooperação. O certame começa hoje, com o espectáculo de dança, "Notes of a Kaspar", pela coreógrafa e bailarina kriola Marlene Freitas, com as batucadeiras da Associação do Moinho da Juventude, de Lisboa.

Com a Agência Lusa

3 Comments:

Anonymous Anónimo fla ma...

é preciso ter mais respeito pelas pessoas, aquele concerto começou com a S.ra Margarida Martins a ler um papel kualker muito bem escrito pelo o S.r. Vasco martins, claro so podia ser, em que so se ouvia baboseiras, e basofarias, uma pretensao doida, impressionante, no espectaculo, muita gente dormiu, aquilo era uma seca dos diabos, também pudera, uma pessoa que estuda tao pouco tempo de musica em escola nenhuma, pretende derepente tornar-se mestre, pelo amor de deus, abrem os olhos pessoal, ha muita vigarice no mundo da musica, nao permitem que salafrarios vos digam que teem que gostar da musica deles, so por eles serem mestres, confiem nos vossos ouvidos, nao juiz mais justo.

9:12 da tarde  
Anonymous Francisco Fontes fla ma...

Comentário de "anónimo" é de alguém que atira a pedra e esconde a mão. E ainda por cima um comentário absurdo, de alguém que procura denegrir o que de bom a sua terra cria e é apreciado no esterior, perante um auditório independente. Eu estive no concerto e gostei muito. Nada mais desajustado a "seca dos diabos". Não se lembrará dos "bravo" escutados após a execução, em especial de "quatro notas da cidade". Tal "anónimo" se se interessasse pela criação da sua terra e tivesse assistido, em Janeiro, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Coimbra à estreia de Pandelius Haeliatus, teria observado a forma vibrante como foi aplaudida por uma assistência de uma centena de pessoas. Foi a mais obra apresentada mais aplaudida. Foram executadas obras de autores conimbricenses, que estavam presentes, e não receberam tantos aplausos. É uma questão de justiça falar verdade. Lamento as insidiosas e falsos comentarios deste senhor "anónimo". Já é tempo de os caboverdianos reconhecerem esse grande compositor que é o Vasco Martins. A estreia das suas sinfonias por grandes orquestras internacionais (Brasil e França), e de peças para guitarra por destacadas concertistas internacionais são a melhor prova da dimensão criativa desse autor. O senhor "anónimo" anda mal informado, e é profundamente desonesto nos seus comentários.

2:31 da tarde  
Anonymous Francisco Fontes fla ma...

Comentário de "anónimo" é de alguém que atira a pedra e esconde a mão. E ainda por cima um comentário absurdo, de alguém que procura denegrir o que de bom a sua terra cria e é apreciado no exterior, perante um auditório independente. Eu estive no concerto e gostei muito. Nada mais desajustado a "seca dos diabos". Não se lembrará dos "bravo" escutados após a execução, em especial de "quatro notas da cidade". Tal "anónimo" se se interessasse pela criação da sua terra e tivesse assistido, em Janeiro, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Coimbra à estreia de Pandelius Haeliatus, teria observado a forma vibrante como foi aplaudida por uma assistência de uma centena de pessoas. Foi a obra apresentada mais aplaudida. Foram executadas obras de autores conimbricenses, que estavam presentes, e não receberam tantos aplausos. É uma questão de justiça falar verdade. Lamento os insidiosos e falsos comentarios deste senhor "anónimo". Já é tempo de os caboverdianos reconhecerem esse grande compositor que é o Vasco Martins. A estreia das suas sinfonias por grandes orquestras internacionais (Brasil e França), e de peças para guitarra por destacadas concertistas internacionais são a melhor prova da dimensão criativa desse autor. O senhor "anónimo" anda mal informado, e é profundamente desonesto nos seus comentários.

2:35 da tarde  

Enviar um comentário

<< Volta pa Lantuna

Desde 27/11/2004