terça-feira, novembro 30, 2004

Más alma

"O zouk, antilhano e genuíno, é boa música como qualquer outra. De ritmo e melodia. Como é a coladeira, o merengue e o colá. O subproduto tornado zoukberdiano é que não cola. Perdoem-me os miúdos ligados a um sintetizador não criativo. Como diria Pantera, mais alma… "

Assim escreveu Filinto Elísio, esta semana, no www.visaonews.com. Teni txeu vós ta kritika zoukberdianu...si juventudi sta ta obis (kritika), nu ka sabi, ma pamodi ki kenha ki ta fazi zouk nes tera, ka ta difendi sés produson?

Un diskuson sobri mudernu y tradisional na musika di kau Verdi, sobri autentiku y falsu... sobri ki musika é es...

Sta ta mésti kriadu un kanal di divulgason y kritika di arti nés tera. Pur issu, oras ki guvernanti ta fla ma nós é riku na kultura, es ten ki ixplika ses palavra...

5 Comments:

Blogger Djef fla ma...

Ka ten nada a ver ku moderno ou tradisional, ten a ver é ku kualidade ma onestidade na arte vs. fasilidade ma falsidade.

Kanal de divulgason de arte dja ten: si krê nu ka pode spera ma rádios privado ta ben toma konsiénsia pa kumesa ta koloka músika de kualidade na antena, ta izisti RCV ku TCV, dôs kanal ke PODIA (i devia) sirviba pa divulga produtos kultural de kualidade, mas ke pa forsa de ábito (ou simples falta de kapasidade de disernimento) ta insisti na poi na ar videoklips (i, pior, entrevistas na jornal da noite) de "artistas" ke ta kunfunde karro bazofo i pikenas na pixina de hotel PraiaMar ku talento. I timente kel senário ka muda ou ka mudado, é imposível izisti ninhum krítika.

1:35 da tarde  
Blogger Matilde fla ma...

o problema é que o zouk e as músicas pimba têm uma audiência incrível! Sentem-se , de certa forma, legitimadas porque não há educação musical nesta terra.
Porque podemos até pensar que essas pessoas gostam mesmo é de música sem qualidade, mas nunca foram educadas para saber o que é música de verdade. A disciplina de educação musical nunca saiu do papel, a disciplina de cultura caboverdiana é o que é - com alunos a ir à TCV para copiar trabalhos de jornalistas sobre temas/actores culturais, como se ali fosse uma biblioteca! E são os próprios professores que recomendam.

2:32 da tarde  
Blogger Djef fla ma...

Mas esta disciplina não tem que nem deve ser a responsabilidade exclusiva das escolas. É verdade que as pessoas que “gostam” de música de baixa qualidade nunca foram educadas para saber o que é música de verdade, mas este papel também cabe às rádios e, em certa medida, à televisão (i. é, acredito que a partir do momento em que a televisão toma a decisão de exibir vídeo-clips, sem cobrar aos artistas, presumo eu, nos intervalos entre os programas, ela tem a obrigação de ser minimamente criteriosa na selecção daquilo que escolhe, pelo menos tanto quanto o é na selecção dos programas). Eu tenho a impressão que as pessoas gostam do “zouk” porque o ouvem constantemente, em todos os lados, acabam se acostumando e depois chegam ao ponto de acharem esquisito quando se toca uma coisa diferente na rádio. Várias vezes ouvi pessoas comentarem ao ouvirem uma morna (boa, por acaso, pois Cabo Verde também está cheio de morna – e funaná, e coladeira, etc. – pimba, mas essa discutimos mais à frente) na rádio, por exemplo, “eh, kelí é kuzé?” Depois de eu perguntar-lhes se não achavam boa a música, me diziam, “Sim, mas é estranha…” Ou seja, na rádio (e na discoteca, e no carro, e no Hiace…) ouve-se zouk e pronto. Quem sabe se os indivíduos que têm o poder de decidir o que se nos deixa ouvir resolvessem passar música de qualidade com mais freqüência na rádio (ou seja, não só nos três dias que se seguem à morte de um grande músico ou dentro do quadro de um “nóóóós morna!”), as pessoas não passariam a se acostumar e a “gostar” dela.
Agora, o porquê de se tocar praticamente só isso é discutível. Eu acho que se prende, pelo menos em parte, a factores económicos: para gravar um CD do tipo de zouk que mais se ouve por aqui, são necessários poucos músicos (na verdade, realmente é preciso só um, para programar, e outro para cantar), o que significa menos (ou nenhum) tempo de ensaio, menos takes no estúdio e, conseqüentemente, menos gente para pagar. Depois, numa sociedade tão pequena quanto Cabo Verde, o acesso a quem pode colocar a música na rádio, seja em troca de jabá ou não, é muito fácil, particularmente se quem lá trabalha é amigo do pretenso artista. Daí não é preciso delinear todo o processo, que todos nós o conhecemos muito bem.
Agora, quanto à legitimação dos autores desta música, acho que a “culpa”, se assim posso dizer, se pode atribuir um pouco por todo o lado. É verdade que eles se sentem legitimados porque não há educação musical nesta terra, tanto no sentido em que você escreveu quanto no sentido mais geral em que eu entendo. Mas também sentem-se legitimados porque há pessoas e instituições que os legitimam e que devem zelar por algo melhor. Basta lembrar o festejo oficialóide que se fez depois da Susana Lubrano ganhar o prémio de “melhor artista africano” nos Kora Awards, o auê quase extático da vinda, a convite do município da Praia, dos mancebos da Operação Triunfo, ou as atribuições de “discos de ouro” que se fazem a artistas na capa de cujos CDs não há uma única frase escrita sem erro de ortografia ou de pontuação, para se ter apenas uns exemplos. E isto é nocivo para todo mundo, pois nos leva a um quadro em que basta um artista gravar um disco de música que não seja zouk para se dizer “artista de verdade”, com direito a criticar os zoukeiros e tudo, mesmo que o disco não tenha qualidade. E ninguém é imune a isto, nem os maiores artistas da terra, muitos dos quais já lançaram CDs que doem a sensibilidade e o bom gosto de quem os ouve. Mas já que se aderem à “tradição” “caboverdiana”, mesmo os poucos críticos da dominância do zouk não ousam criticar.

4:40 da tarde  
Blogger Matilde fla ma...

pois é, djef. n ta konkorda ku bó na kusa ki bu fla, ma n ta purgunta: otu mutivu pa músika pinba ta obidu na radiu más ki son di kualidadi é ka falta di un kritika de arte na és tera? Bu post é um crónika. BU ka kré nu publikal sima un post?

9:21 da manhã  
Blogger Djef fla ma...

Dja sta publikado sima un post.

Ma, pa módi ka ta izisti krítika ? Na nha opinion ten dôs motivo prinsipal.

Prumero, na Kabo Verde tudo algén ta konxe kumpanhero, kuadro ke ta lebá-nu pa un senário napunde “krítikos” en potensial, si krê ês tene observason konstrutivo pa fâze, ta kaba pa sensura ses propi boka pa ka korre risko de ofende artista ou de buska inimizade – na parafrâsea kel ke un jornalista k’n konxe dja kostuma flâ, é difísil bu ser 100% aberto ku kel ke bu ta pensa kuando nunka bu ka sâbe si bu ta kaba pa enkontra ku “alvo” de bo ponto de vista na prósimo meza lâ na Poeta. I, pa ser franko, na Kabo Verde tudo bês ke ta fazedo algun krítika a un obra de arte, tudo algén ta pensa, automatikamente, ma krítiko ou debe ten inveja ou debe ten algun konflito pesoal ku artista en keston – i na maioria de kazos é si mê. Oras ke gentes atinji un grandeza ke ta pirmiti-s odja ma nen tudo é ka atake nen elogio pesoal, mambá és kuadro pode ben muda.

Segundo, pa izisti un krítika (repara, krítika kontundente), pesoas ten ke kostuma ku un ambiente napunde ta izisti un leke bastante variado de obras ku produtos kultural de stilos i jéneros rei de variado, pa len de, sima dja nu flâ, un edukason kultural ke pode txomado sí. Sen krê korre risko de fika ta bâte sempre na umezmo tekla, si tudo kel ke bu konxe é zouk, manera ke bu pode avâlia un ária, ou un morna, ou un mbalax, ou un djés?

3:43 da tarde  

Enviar um comentário

<< Volta pa Lantuna

Desde 27/11/2004