terça-feira, novembro 09, 2004

Como construir o bilinguismo?

Un pergunta ki Manuel Veiga ta poi na sé novu livru, lansadu na Praia. “A Construção do Bilinguismo” é un prublema ki ta inkieta Veiga dja tem 25 anu.
Kabuverdianu é ka un povu bilingui, pamodi purtugues ku kriolu é ka língua komplimentar y es ka tem statutu igual. Purtugues é língua ofisial y formal, ku un statutu ki ta dal dignidadi. Kusa ki kriolu ka tem, é língua primeru, di tudu okasion, menos kes ofisial, edukasional e di kumunikason susial.

Na livru, Manuel ta txoma kriolu di “língua dominada”.

As propostas contidas no livro sugerem a construção de uma paridade sociolinguística entre o português e o crioulo, numa relação de complementaridade. Para tal, sugere Veiga, o primeiro passo seria uma mudança gradual de mentalidade para retirar do crioulo o estatuto de língua dominada. O linguista sugere ainda a introdução do ensino da língua cabo-verdiana no ISE.

Kes pruposta li ten objetivu di kria un pulitika linguistiku pa Kabu Verdi y autor di livru lansas pa susiedadi y dicisoris pulitiku.

Era esta a deixa que o apresentador da obra, o director executivo do IILP, precisava para lançar uma provocação. “Estando o autor a exercer o cargo de ministro da cultura, também ele é um decisor político”, atirou Manuel Brito Semedo, para quem o bilinguismo favorece as duas línguas.
Mas o ministro/linguista prefere partilhar a responsabilidade da oficialização do crioulo. “O Manuel Veiga não pode fazer nada sozinho. A oficialização do crioulo não pode ser uma imposição. Se a sociedade quiser, o crioulo será oficializado”.

Livru nasi dja dura, komu un kapitulu di un obra ki Veiga inda ka teni prontu pa lansa, ki debi txoma di “Azagua”. Em 2000 “A Construção do Bilinguismo” foi galardoado com o prémio PALOP do Fundo Bibliográfico de Língua Portuguesa em Maputo.

10 Comments:

Blogger Silvenius fla ma...

A confrontar, suponho, com o trabalho de Dulce Almada Duarte sobre o mesmo assunto e com as reflexões antilhanas de Edouard Glissant ou Patrick Chamoiseau (o Caribe não partilha apenas o "zouk" com Cabo Verde, não é?).

8:58 da tarde  
Blogger Matilde fla ma...

claro que não. fazemos parte da família do crioulo, há cruzamentos históricos entre as ilhas, é só ver, por exemplo, o livro "Combates pela história", de António Leão Correia e Silva.
o livro "bilinguismo e Diglossia", da Dulce fundamentou muito bem a questão levantada pelo Veiga, no novo livro. ele parte dessa tese para propor um caminho para a construção do bilinguismo, através do ensino e sensibilização social. mas o próprio admite que se a sociedade não quiser, nada feito.
para mim, o problema, como dizem os brasileiros, é mais em baixo. a oficialização do crioulo é uma questão polémica porque as pessoas, de um modo geral, ainda consideram o crioulo como uma lingua dominada.

12:46 da tarde  
Blogger Gafanhotu fla ma...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

10:45 da tarde  
Blogger Gafanhotu fla ma...

Muito bem, temos que valorizar o criolo como lingua e permitir que a dignidade e identidade do povo caboverdiano se expressem de forma livre e descomplexada. E por isso Manuel Veiga está de parabéns!

O que me desconforta é ter que escrever o criolo de forma altamente estruturada como o Português, como inúmeros recursos para cobrir as variantes das ilhas.

Penso que o criolo por ser uma fusão e por ser mutável e livre deve estar aberto a um desenvolvimento livre com o minimo de regras.

Nisso concordo com Kaká quando ele diz que a palavra tem uma origem a partir do qual ela se ramifica pelas variantes, sem no entanto deixar de ser criolo autêntico.

Sem querer ser pretencioso este é um micro-contributo em favor da comunicação que acrescenta e traz valor quando lingua-mãe.

10:46 da tarde  
Blogger Silvenius fla ma...

Nunca tinha percebido o problema a esta luz, TIDE… e é muito interessante. Mas suponho que concorda com a existência da outra face da moeda: a escrita padronizada do “crioulo” (até nesta palavra hesitamos, veja lá!) iria permitir precisamente que ele se tornasse mais estável, com uma norma progressivamente adoptada em todas as ilhas (ou, concedo, mantendo as variantes de barlavento e sotavento). Isso seria descaracterizar o crioulo? Se assim for, então talvez todas as línguas com tradição escrita estejam neste momento descaracterizadas… Ainda assim: uma das propriedades que mais apreciei no crioulo foi essa mutação (sobretudo semântica) vivíssima… e sempre a justifiquei com a condição oral. Por isso acho que entendo a sua apreensão.

8:54 da tarde  
Blogger Silvenius fla ma...

De qualquer forma, deixe-me dizer-lhe ainda: sou absolutamente pela oficialização do crioulo e pelo seu uso no ensino – pelo menos nos primeiros anos de escolaridade. Afinal, até é um direito universal das crianças, não é? Um abraço.

8:57 da tarde  
Blogger Matilde fla ma...

ami tanbé n sta pa ofisializason di kriolu y pa é ser inxinadu na skola. Pamodi kel argumentu pa kriolu debi ser livri y sen regra ka ta panha! Si nu ka skrebi kriolu modi ki nu podi inxinal, invistigal, preserval sima tudu patrimoniu? Ninguen ka sta ben panha oralidadi pa pol un korrenti. nen pa ka tenta. ma nu ten ki poi kriolu na sé lugar. sima tudu lingua é ten ki ten regra.
bon fin di simana, gentis

9:40 da manhã  
Blogger Gafanhotu fla ma...

ora ki assuntu eh screbi na criolo guentis ta rapia fepu! nhos dam nha liberdadi din screbi sima ncre. Si nu kre mostra minis screbi ku le, debi tem regra sim, mah favor ka nu complica ku gramatica mutu complexo e regras tcheu. Nha medo eh kela. Como dja nu dura dotor tudu cusa eh pa nu pol di maneras a spanta ingles, comovi purtugues e tchoma criolo di burru! Ta fazi parti di nos independencia nu screbi livri sima nta xinti.

9:54 da manhã  
Blogger Matilde fla ma...

o problema é precisamente esse: escrever livremente. o que significa isso?
nenhuma gramática complica, se for consensual. complicado é entender que as pessoas sejam, ao mesmo tempo, a favor do ensino do crioulo e contra uma gramática do crioulo. como ensinar então?
skrebi livri é uma faca de dois gumes. para mim, equivale a dizer "ka nhos poi ensinu di kriolu, tudu algen sabi papial!". pois é, quem pensa assim deve rir sempre que alguém diz que lingua é património, merece ser invstigada e preservada...

11:46 da manhã  
Blogger Djef fla ma...

Tidi,

Konkordu kontígu. Y mais - izíju u dirêitu dji iskrevê português da maneira ki eu kizer, para poder fikar lívri da dominassãu dji uma elítxi ki kér djitar a forma dji ki eu mi ispréssu. Y daí si ninguén konségue ler u ki eu iskrévo?

2:41 da tarde  

Enviar um comentário

<< Volta pa Lantuna

Desde 27/11/2004